Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; plgContentenbed_pdf has a deprecated constructor in /home/tirocata/public_html/plugins/content/enbed_pdf/enbed_pdf.php on line 25

Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; EnbedBrowser has a deprecated constructor in /home/tirocata/public_html/plugins/content/enbed_pdf/browser.php on line 25


REGULAMENTO DO CAMPEONATO CATARINENSE
 
FEDERAÇÃO ESPORTIVA DE TIRO E CAÇA DE SANTA CATARINA – FETC/SC

DE TIRO AO PRATO TRAP SINGLE e TRAP DOUBLE TRAP 100

EXERCICIO 2016

CRICÍUMA, OUTUBRO 2015.

 Artigo 1- O Campeonato Catarinense de Tiro ao Prato de 2016, com as modalidades Trap Single, Trap 100 e Trap Double será realizado em 09 (nove) etapas, a realizar-se nos meses de Fevereiro, Março, Abril, Maio, Julho, Agosto, Setembro, Outubro e Novembro.

 

 

Artigo 2 - As provas do Campeonato Catarinense obedecerão este regulamento, e os casos omissos serão dirimidos pela JÚRIA PERMANENTE, sendo esta soberana em todas as suas decisões. Farão parte da Juria Permanente para o ano de 2016 os seguintes atiradores: Haroldo Luiz Kerber (Clube de Concórdia), André Henrique (Clube de Joinville), Luciano Mello Figueiredo(Clube de Içara), Moacir Campos Goulart (Clube de Tubarão), Rafael Diego Rausch (Clube de Blumenau).

 

Artigo 3 - Todos os problemas que ocorrerem durante o campeonato, sejam eles quanto à interpretação do presente regulamento ou quanto ao descumprimento das regras aqui estabelecidas, obrigatoriamente, deverão ser direcionados à Juria Permanente, para análise e posterior decisão.

 

Artigo 4 - Para resolver eventuais problemas que surgirem no decorrer das provas, ou ainda dúvidas omissas no regulamento, é obrigatória a presença da JÚRIA permanente, com quórum mínimo de 03 (três) membros, sendo a sua decisão soberana.

 

Parágrafo Primeiro - Não poderá fazer parte da JÚRIA o representante da equipe do atirador ou da equipe sob judice.

 

Artigo 5 - As anuidades dos clubes e atiradores junto à FETC/SC deverão ser pagas diretamente ao representante da FETC/SC até a data do início da sua primeira participação no campeonato, sob a pena de seus resultados não serem computados. Os valores serão de:

Valor para o Clube R$ 420,00 (quatrocentos e vinte reais);

Valor para o atirador R$ 180,00 (cento e oitenta reais).

 

Parágrafo Primeiro – O Clube/Atirador poderá também pagar sua anuidade nos dias de prova diretamente ao representante da FETC, caso o mesmo se faça presente na etapa.

 

Parágrafo Segundo - Os valores explícitos no artigo 5º e no parágrafo primeiro serão cobrados do atirador na primeira etapa do campeonato ou na primeira participação dele durante o campeonato de 2016, inclusive daqueles atiradores que participam somente de prova extra ou LNTP/CBTE. Caso algum atirador não efetue o pagamento do referido valor, o clube ao qual represente será o responsável pela quitação do débito. Valor isento para atirador até 16 anos de idade.

 

Artigo 6 - Fica estabelecido que o valor dos pratos seja de R$ 15,00 (quinze reais) para cada série de 25 tiros no Trap Single, R$ 30,00 (trinta reais) para cada série de 50 tiros no Trap Double e de R$ 15,00 (quinze reais) para cada série de 25 tiros no Trap 100. Estes valores poderão sofrer alteração caso os fornecedores de pratos majorem seus preços. Todavia, a margem bruta para calcular o novo valor dos pratos não poderá ultrapassar o limite de 40% (quarenta por cento) sobre o preço de compra.

 

Artigo 7 - O número de atiradores por equipe é ilimitado em todas as modalidades (Trap Single, Trap Double e Trap 100).

 

Artigo 8- O Clube para poder participar do Campeonato Catarinense de 2016 deverá estar filiado e em dia junto a FETC/SC até 01 (um) dia (útil) antes de sua primeira participação no Campeonato.

 

Parágrafo Primeiro - o atirador não precisará ser sócio do clube ao qual irá representar no Campeonato Catarinense.

Parágrafo Segundo - Os Clubes e atiradores para participarem do Campeonato Catarinense de 2016 deverão possuir certificado de registro junto ao Exército, conforme as normas do R-105. Para os atiradores menores de 18 anos, obrigatoriamente deverão possuir autorização judicial.

 

Parágrafo Terceiro - A participação no Campeonato Catarinense 2016 de atiradores que tenham registro em outras Federações será ilimitada por equipe, desde que estes atletas estejam filiados e com suas anuidades em dia junto à FETC/SC.

 

Parágrafo Quarto - Após a realização da primeira prova como representante de uma equipe, o atirador não poderá transferir-se no mesmo ano para outra equipe, entretanto, poderá competir como atirador avulso.

 

Artigo 9 - Os clubes que sediarão as 09 etapas do ano de 2016 ficarão obrigados a abrir a secretaria às 09h30min nas sextas-feiras e 07h30min nos sábados e domingos, disponibilizando uma pessoa, que será responsável pelas inscrições presenciais. O clube que infringir qualquer item deste parágrafo será penalizado com uma multa no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), que deverá ser repassado ao administrador do caixa das máquinas, Sr. Moacir Campos Goulart.

 

Artigo 10 - O clube para sediar uma prova do calendário de 2016 deverá ter no mínimo 03 (três) pedanas. Toda etapa terá seu início oficial na sexta-feira a partir das 13h para o Trap Single e Trap 100, e às 16h para o Trap Double, ou após o término das súmulas do Trap Single e Trap 100.

 

Parágrafo Primeiro - Os clubes deverão disponibilizar as pedanas para treinos às sextas-feiras das 09:00hs as 12:30hs. Caso o atirador deseje treinar após este horário pré-definido, não poderá participar da competição (prova) no mesmo dia.

 

Artigo 11 - A prova de encerramento do Campeonato Catarinense terá seu início na sexta-feira às 09:00hs, encerrando-se no sábado com o jantar e entrega das premiações. O clube que realizar o encerramento cobrará uma taxa de R$ 15,00 (quinze reais) na inscrição do atirador para auxiliar no custeio da premiação de final.

 

Artigo 12 - A reunião para elaboração do calendário 2017 e possíveis alterações do presente regulamento acontecerá na prova de encerramento do campeonato, na sexta-feira com início às 18:00hs.

 

Artigo 13 - o atirador que treinar em uma determinada modalidade após o horário oficial de treino acima referido, obrigatoriamente deverá realizar a série completa de 100 tiros (treino). Dessa forma, não prejudicará os demais atiradores da mesma súmula.

 

Artigo 14 - O Clube que estiver sediando a prova deverá disponibilizar acesso à internet no local da prova com velocidade mínima de 5mb para downloads, para que os resultados possam ser lançados em tempo real.

 

Parágrafo Único - A secretaria da etapa será de responsabilidade do clube, sendo facultativo ao mesmo contratar ou não serviços de terceiros para coordenar as inscrições, lançar resultados, receber e efetuar cobranças, bem como atualizar os resultados nos meios virtuais da FETC/SC, LNTP e CBTE.

 

Artigo 15 - As planilhas com os resultados da prova deverão ser preenchidas pela secretaria do clube organizador da etapa, em computador e impressora a laser ou a jato de tinta, as quais serão padronizadas pela FETC/SC.

Parágrafo Único - Após a secretaria da prova imprimir a súmula, solicitada pelo árbitro “largador” ou por esta estar completa com 5 atiradores, o atirador não poderá mais retirar seu nome, salvo por motivo de força maior, desde que aprovado pela JÚRIA permanente, ou no caso de não haver anuência da JÚRIA, deverá pagar nova inscrição para o clube.

 

Artigo 16 - A súmula que estiver composta por atiradores de uma única equipe, terá como únicos juízes o largador e o marcador. Neste caso específico, os atiradores não terão direito de se manifestarem ou contestarema validação de pratos “zero”, dessa forma, a única e soberana decisão será dos juízes largador e marcador.

Nos demais casos, retorna a hierarquia do julgamento, seguindo a respectiva ordem: Juiz largador, atirador da posição 01 (um).

 

Artigo 17 - A súmula que estiver composta por 03 (três) ou mais atiradores de uma mesma equipe, veta que os juízes largadores e marcadores sejam também da mesma equipe. Neste caso específico, os atiradores não terão direito de se manifestarem ou contestarem a validação de pratos “zero”, dessa forma, a única e soberana decisão será dos juízes largador e marcador.

Nos demais casos retorna a hierarquia do julgamento, seguindo a respectiva ordem: Juiz largador, atirador da posição 01 (um).

 

Artigo 18 - O atirador deverá conferir o seu resultado ao final de cada série de 25 tiros no Trap Single, Trap 100, e série de 50 tiros no Trap Double, onde nesse momento terá o direito de questionar o resultado anotado, sendo que a dúvida deverá ser imediatamente resolvida pelo árbitro “largador”, com o auxílio do marcador, cabendo recurso da decisão à JÚRIA. Perde o direito de reclamar caso a outra série de 25 ou 50 tiros tenha iniciado.

Ao final dos 100 tiros, o atirador deverá assinar a súmula, caso não o faça, perde o direito a reclamação futura. Reclamações ou desacordos deverão ser anotados por escrito no verso da súmula.

 

Parágrafo Primeiro - Deverá ser anotado na súmula em local específico o nome do árbitro “largador” e do marcador de cada série de 25 ou 50 tiros.

 

Parágrafo Segundo - Tão logo uma súmula concluir sua série de 25 tiros (Trap Single e Trap 100) ou 50 tiros (Trap Double), deverá imediatamente ceder lugar à próxima súmula.

 

Artigo 19 - O atirador poderá ser inscrito na planilha por outro atirador ou qualquer pessoa de sua equipe. Quando o atirador estiver inscrito, sendo chamado para ocupar seu posto, e não o fizer em período de 03 (três) minutos, automaticamente terá sua inscrição anulada devendo se reinscrever em outra planilha e pagar nova inscrição no valor de:

     Trap Single      R$ 140,00 (cento e quarenta reais);

     Trap Double R$  70,00 (setenta Reais);

     Trap 100         R$  70,00 (setenta Reais),

a titulo de multa, que será acrescido ao valor normal da inscrição, devendo este valor ser repassado ao Clube. EXEPCIONALMENTE nos Jogos Abertos de Santa Catarina– JASC, quando o atirador for chamado para ocupar seu posto e no período de 03 (três) minutos não se fizer presente, automaticamente todos os seus pratos serão anotados na planilha como zero. Ainda também relativo ao JASC, o atleta que não estiver devidamente identificado em seu colete ou camiseta com o nome da cidade a qual esteja representando/competindo, será penalizado com a anulação de seus resultados.

 

Artigo 20 - As súmulas originais serão digitalizadas e colocadas no site para consulta pelos atiradores, sendo de reponsabilidade da secretaria a digitalização e envio ao responsável em colocar no site (enviar para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

 

Artigo 21 - As equipes que participam do Campeonato Catarinense de 2016, e sediam etapa, ficarão obrigadas a prestigiarem com no mínimo quatro (4) atletas todas as etapas do corrente Campeonato. Caso descumpram este artigo serão penalizadas com a perda de 10 pontos da contagem final.

 

Parágrafo Único - Sem prejuízo da penalidade prevista no caput, ainda, o clube que sediar uma etapa e participar do Campeonato de 2016 e não enviar o mínimo de quatro atiradores em qualquer uma das etapas terá que pagar ao clube organizador da respectiva etapa, a título indenizatório, o valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), que deverá ser pago quando da realização da etapa imediatamente subsequente àquela em que descumpriu a obrigação aqui assumida, sob pena de serem anulados todos os resultados obtidos nas etapas posteriores até o pagamento da indenização.

 

Artigo 22 - Os pratos para a realização das provas deverão ser adquiridos pelo clube organizador, estes não podendo ser de material reciclado, salvo com a aprovação prévia e expressa dos representantes indicados pelos clubes.

 

Parágrafo Único: Os pratos utilizados deverão ser do mesmo tipo, marca e modelo do início ao término de cada etapa.

 

Artigo 23 - Munição permitida para as modalidades Trap Single, Trap Double e Trap 100: Cartuchos com calibre máximo de 12ga, carga máxima de 24 gramas de chumbo com diâmetro não superior a 2,5mm. Caso se constate que a munição é divergente da especificada neste artigo, o atirador terá seu resultado da etapa anulado.

 

Artigo 24 - As máquinas deverão ser enviadas ao clube organizador da próxima etapa revisadas e consertadas, no máximo até 07 (sete) dias antes do início da próxima etapa, com frete por conta do Clube organizador da etapa anterior.

As máquinas deverão ser devolvidas ao Sr. Valdir Abel, na cidade de Criciúma - SC, aos cuidados de Cristiano Autoconter, situado a Rodovia SC 447, km 01, nº 455, CNPJ: 03.753.526/0001-30, Inscrição Estadual 255.737.378, em um prazo máximo de 07 (sete) dias após o término da prova, com frete também por conta do Clube.

 

Parágrafo Único - O clube que não enviar as máquinas no prazo de 07 (sete) dias pagará ao caixa das máquinas uma multa equivalente a R$ 1.000,00 (um mil real), na prova subsequente, sob pena de ter seus resultados anulados até o pagamento da multa. Esse valor deverá ser repassado ao caixinha das maquinas.

 

Artigo 25 - O jantar será obrigatório para o clube que sediar a etapa, sem custo ao atirador, podendo ser cobrado o valor de R$ 35,00 (trinta e cinco reais) dos acompanhantes e/ou não atiradores.

O jantar de confraternização deverá ser realizado no sábado após a entrega da premiação da etapa anterior. As equipes que sediarão as etapas do Campeonato deverão estar presentes no jantar com número mínimo de 04 (quatro) atiradores. Caso nenhum dos quatro atiradores comparecerem no jantar, fica estipulado uma multa no valor de R$ 600,00 por equipe em benefício da equipe que estará sediando a etapa. Tal multa deverá ser paga até a prova subsequente, sob pena de ficarem anulados os seus resultados até aquitação.

 

Parágrafo Único – Caso algum clube que sediar etapa em 2016 se fizer presente com menos de 04 (quatro) atiradores, sofrerá multa proporcional de R$ 150,00 (cento cinquenta reais), por atirador faltante.

 

Artigo 26 – O sorteio da carabina 5.5 CBC da prova extra, deverá ser feito durante o jantar de confraternização.

 

Artigo 27 - O café colonial é facultativo e poderá ser servido aos sábados à tarde pelo clube que estará sediando a etapa.

 

Artigo 28 - As cidades sede das provas do Campeonato de 2017 serão escolhidas entre as 09 (nove) equipes melhor classificadas no Campeonato do ano de 2016 na modalidade Trap Single, ficando definidos os meses constantes no artigo 1º para sua realização.

 

Parágrafo Único- O número de etapas para o ano de 2017 poderá sofrer acréscimo ou supressão, desde que com a anuência da maioria absoluta dos clubes participantes do campeonato de 2016.

 

Artigo 29 - O atirador que por algum motivo desistir da prova, terá seus resultados computados.

 

Artigo 30 - A venda de bebidas alcoólicas nas etapas do Campeonato Catarinense de Tiro ao Prato para maiores de 18 anos será de responsabilidade do clube que está ofertando a prova.

 

Parágrafo Primeiro- A responsabilidade por qualquer ato que venha a causar danos a terceiros onde o fato gerador seja embriaguez, será do clube que está ofertando a prova e do(s) atirador (es) envolvido(s).

 

Paragrafo Segundo - A FETC/SC não poderá ser responsabilizada por qualquer acidente envolvendo atletas embriagados, portando armas de fogo dentro do clube que está ofertando a prova.

 

Artigo 31 - O atirador que se comportar inconvenientemente com ofensas, agressões, retardamentos, uso indevido de armas, embriagado e qualquer fato que atente contra a boa conduta do esporte poderá ser convidado a se retirar do local de competições pelo juiz largador (anotador) ou por qualquer membro da JÚRIA, cabendo recurso.

 

Parágrafo Primeiro - Caso o atirador se comporte de forma inconveniente na pedana, o árbitro largador tem a autoridade para adverti-lo e, caso este mantenha sua conduta, anular seu resultado. Em caso de omissão do árbitro largador, o Diretor de Tiro da FETC, poderá advertir o atirador e, caso este mantenha a conduta, anular seu resultado. Da decisão do árbitro largador ou do Diretor de Tiro da FETC caberá recurso imediato à JÚRIA.

 

Parágrafo Segundo - O Diretor de Tiro da FETC será a pessoa responsável por denunciar o infrator ao Tribunal de Justiça Desportiva da FETC para que este aplique a penalidade cabível, que poderá ser: Advertência, Suspensão, Eliminação do Campeonato ou Banimento das Provas de Tiro da FETC/SC, conforme a gravidade dos fatos.

 

Artigo 32 - Julgamento dos pratos no caso de falhas de armas, munições e máquinas será feito da seguinte forma:

 

Prato Bom: Um prato é determinado BOM , quando ele é quebrado no ar, e dele se desprende pelo menos um pedaço visível ou quando é reduzido a pó.

 

Prato Perdido: Um prato é determinado ZERO, quando o prato for errado completamente ou quando apenas poeira sair dele;

 

Prato Quebrado no Lançamento: O prato que é quebrado no momento do lançamento pela máquina, tem que ser repetido, independentemente se foi disparado contra ele. Para isso é fundamental que o árbitro esteja em pé durante todo o certame. Alternativamente poderá ser aceito cadeira elevada para melhor visualização do árbitro.

 

Prato Desbalanceado: Caso seja lançado pela máquina um prato desbalanceado, este pode ser recusado pelo atirador. Todavia, se atirado, o resultado será anotado, mesmo que seja ZERO.

 

Prato Atrasado: Caso seja lançado um prato fora do tempo de comando do atirador (no caso de comando manual, via botão com árbitro principal), este pode ser recusado pelo atirador. Todavia, se atirado, o resultado será anotado, mesmo que seja ZERO.

 

Prato com Cor Diferente: Caso seja lançado um prato cuja cor visualizada seja diferente do "laranja", este pode ser recusado pelo atirador. Todavia, se atirado, o resultado será anotado, mesmo que seja ZERO.

 

Prato Fora dos Limites de Voo: Caso seja lançado pela máquina um prato fora dos limites de voo (mínimo de 17° na lateralidade), este pode ser recusado pelo atirador. Todavia, se atirado, o resultado será anotado, mesmo que seja ZERO. Esta situação deverá ser avaliada pelo árbitro e, se o árbitro definir que o prato estava dentro dos limites de voo, este deverá sentenciar: "Prato recusado pelo atirador... R1".

 

Recusa de Pratos: Em cada serie de 25 pratos, o atirador terá o direito de recusar 01 (um) prato, sem que necessite justificá-lo. Neste caso, o árbitro deverá aproximar-se do atirador verificando o motivo da recusa e, observando que a recusa deu-se por qualquer outro motivo, que não seja: prato desbalanceado, atrasado, cor diferente ou fora dos limites de voo. Anotar na súmula R1. A partir da segunda recusa injustificada será anotado ZERO na planilha. A partir da temporada 2016 não haverá mais recusa injustificada de pratos.

 

Arma sem Munição: Quando o árbitro verificar que o atirador comandou o prato sem municiar a arma, deverá sentenciar: "Arma sem munição... novo prato!".

 

Municiar Cano Errado: Quando o árbitro verificar que o atirador comandou o prato tendo municiado o cano errado, no caso de utilização de armas com cano sobreposto, deverá sentenciar: "Municiado cano errado... novo prato!".

 

Arma Travada: Quando o árbitro verificar que o atirador comandou o prato com a arma travada, deverá destravá-la e sentenciar: "Arma travada... novo prato!".

 

Falhas de Espoletas ou Cartucho Fraco: Quando o árbitro verificar que o atirador comandou o prato e, ao mesmo tempo puxado ou soltado (release) o gatilho, não houve o disparo em função de falha de espoleta, deverá sentenciar: "Falha de espoleta... novo prato!". Se o problema evidenciado for cartucho fraco (onde permaneça a bucha no cano), deverá sentenciar: "Cartucho fraco, bucha no cano... novo prato!". Nestas hipóteses, o atirador repetirá quantos pratos forem necessários na serie 25 tiros ou 50 tiros, pois o mesmo não pode ser penalizado por falhas de munição.

 

Artigo 33 - Após o último atirador do dia da modalidade do Trap Single e Trap 100 deflagrar seu último tiro, deverá ser feita a regulagem das máquinas para modalidade Trap Double.

 

Parágrafo Único - Enquanto os atiradores do Trap Double estiverem competindo, serão permitidas novas inscrições para o Trap Single ou Trap 100 (caso algum atirador chegue atrasado à competição). Entretanto, o mesmo poderá atirar a modalidade Trap Single ou Trap 100 nas pedanas que estiverem sem uso, observando e respeitando a prova de Trap Double já iniciada. Após o encerramento do Trap Double (último tiro), a prova será considerada encerrada, não sendo mais permitida nenhuma inscrição para qualquer modalidade.

 

Artigo 34 - O calendário das provas de 2016 será sediado pelas equipes abaixo relacionadas, que foram classificadas no Campeonato Catarinense de 2015:

 

 

26 a 28/02/2016

TRANSALASSOC ESP  

IÇARA

18 a 20/03/2016

CCT1º DE JULHO  

LAGES

08 a 10/04/2016

CLUBE JOSEFENSE DE TPC 

FLORIANOPOLIS

13 a 15/05/2016

CCT JOSE SIEBERT 

TUBARÃO

29 a31/07/2016

CER BOTAFOGO 

POMERODE

19 a 21/08/2016

C CONCORDIENSE TACP

CONCÓRDIA

23 a 25/09/2016

CLUBE BLUMENAU CTE 

BLUMENAU

21 a 23/10/2016

CCP ALBERTO SCHEIDT

CRICIÚMA

04 a 05/11/2016

CTECP ARCARI 

CHAPECÓ

 

Parágrafo Primeiro - As datas somente poderão ser alteradas se solicitadas pela parte interessada por escrito e com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da data convencionada, e com concordância por escrito de no mínimo 05 (cinco) equipes que sediam as etapas. A equipe que não se manifestar será considerada como de acordo com a mudança da data.

 

Artigo 35 - Em todas as etapas de 2016 que se fizerem presentes, os diretores de tiro designados pela FETC/SC receberão gratuitamente a inscrição do Trap Single e 200 cartuchos e o Diretor de Informática (lançamentos de resultados) receberá gratuitamente a inscrição do Trap Double e 100 cartuchos. É de obrigação do clube que sediar a etapa disponibilizar a munição e não cobrar a inscrição.

 

Artigo 36 Para reclamações e questionamentos de atiradores fica instituído neste artigo que qualquer tipo de reclamação ou questionamento referente a atirador, equipes, resultados e interpretação do regulamento, deverão ser dirigidas aos diretores de Tiro de cada clube, onde este, se achar conveniente ou relevante, deverá ser reportado a JÚRIA permanente para elucidação do problema.

 

Artigo 37 - As ocorrências omissas no presente regulamento, caso ocorram durante o Campeonato, serão obrigatoriamente adequadas ao regulamento da LIGA Nacional de Tiro ao Prato e posteriormente a ATA (AMATEUR TRAPSCHOOTING ASSOCIATION).

 

REPRESENTANTES COM DIREITO A VOTO PRESENTE

 

FLORIANOPOLIS– Adoli Werlich

TUBARÃO      – Moacir Campos Goulart

CAÇADOR      – Clayton Luis Gorny

CONCÓRDIA    – Haroldo Kerber

LAGES        – Fausto Geraldo Nunes

CRICÍUMA     – Luis Fernando Meller

JOINVILLE    – Roberto José Harger Filho

RIO DO SUL   – Marcio Losi

AGROLANDIA   – Evandro Graupner

CAMPOS NOVOS – Alessandro Fagundes

BLUMENAU     – Rafael Diego Rausch

POMERODE     – Elton Klemann

FETC         – Carlos Augusto Sell ou seu representante

IÇARA        – Valdir Abel

CHAPECO      - Leandro Pravato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Modalidade TRAP SINGLE

 

Artigo 38 - A modalidade Trap Single será disputada contabilizando um total de 200 tiros, divididos em duas séries de 100 tiros e com cada uma delas com quatro séries de 25 tiros. Os competidores poderão se inscrever em súmulas que tenham atiradores do Trap 100 também.

 

Artigo 39 - O valor da inscrição em cada etapa do Campeonato Catarinense de Trap Single será de R$ 235,00 (duzentos e trinta e cinco reais) para 200 tiros em todas as categorias, exceto na categoria INICIANTES em que o valor das inscrições será de R$ 185,00 (cento e oitenta e cinco reais) para 200 tiros e R$ 125,00 (cento e vinte e cinco reais) para 100 tiros.

 

Parágrafo Primeiro- Nos valores das inscrições acima de cada atirador, estão inclusas as seguintes taxas:

Custo dos Pratos             R$ 120,00;

Taxa clube organizador       R$  50,00;

Caixinha das maquinas        R$  10,00;

Manutenção das Máquinas      R$   5,00;

Jantar                       R$  30,00;

Prova Extra                  R$  20,00 sorteio carabina 5.5 CBC.

 

Parágrafo Segundo - O atirador que se inscrever na etapa em mais de uma modalidade do Campeonato Catarinense, terá o desconto de R$ 50,00 (cinquenta reais) por modalidade adicional da taxa do clube organizador.

 

Artigo 40 - O atirador poderá dar 200 tiros no mesmo dia durante o Campeonato Catarinense nas etapas de sua livre escolha, exceto, na etapa em que sua equipe estará sediando, em que poderá fazê-lo somente na sexta ou sábado, sob pena de seu resultado será anulado.

 

Artigo 41- A re-inscrição para a segunda série de 100 tiros só será permitida após o atirador já ter completado os 100 (cem) primeiros tiros. O não cumprimento deste artigo ocasionará na perda de 10 pratos do total do resultado do atirador.

 

Artigo 42 - A classe dos atiradores para 2017 será obtida, considerando a média dos 800 melhores tiros, ou seja, os 08 (oito) melhores resultados de 100 tiros do Campeonato de 2016.

Para os atiradores que não completarem esta quantia mínima de 08 (oito) séries de 100 tiros, a média será pelo número de séries atiradas.

O atirador poderá optar pela classe imediatamente superior aquela que foi obtida pela média do ano de 2016.

 

CLASSES:

AAA  - de 97,50 a 100

AA   - de 95,50 a 97,49

A    - de 93,00 a 95,49

B    - de 89,00 a 92,99

C    - de 00,00 a 88,99

Estreante - 1ª participação no Campeonato

Veterano  - Atiradores com mais de 65 anos.

 

Parágrafo Primeiro - No caso de reingresso de atirador afastado do Campeonato Catarinense há mais de dois (02) anos, esse deverá optar por manter sua categoria ou disputar a categoria imediatamente inferior a aquela que possuía quando competia. Se durante o período em que estiver afastado o atirador participar de alguma prova oficial e/ou dos JASC, obrigatoriamente deverá disputar o Campeonato na categoria em que participou no seu último Campeonato Catarinense.

 

Parágrafo Segundo - O atirador de outro estado que participar do Campeonato Catarinense pela primeira vez, obrigatoriamente terá sua classificação de acordo com aquela utilizada em seu Estado, CBTE ou LNTP, devendo obrigatoriamente ser classificado pela maior delas.

 

Artigo 43 - Para o atirador fazer jus à premiação individual ao final do Campeonato Catarinense de 2016, deverá participar ao longo do Campeonato de no mínimo 07 (sete) etapas ou o equivalente a 1.400 (um mil e quatrocentos) tiros, porém, para pontuar para a equipe que representa, o atirador deverá participar de no mínimo 05 (cinco) etapas ou o equivalente a 1.000 (um mil) tiros.

 

Artigo 44 - Para a classificação final do Campeonato por equipes, serão considerados os 08 (oito) melhores resultados, descartando-se o pior dos resultados obtidos nas 09 (nove) etapas.

 

Artigo 45 - Para a classificação final individual do Campeonato serão computadas as 14 (quatorze) melhores séries de 100 tiros, equivalente aos melhores 1.400 (um mil e quatrocentos) tiros em todas as classes.

 

Artigo 46 - Para o resultado individual da etapa, em todas as classes e categorias, será considerada a melhor série de 100 tiros do atirador seguido da soma das duas séries de 100 tiros. Sendo obrigatório para validar os resultados que o atirador efetue os 200 tiros.

 

Artigo 47 - Para o resultado da etapa por equipe serão somados os 08 (oito) melhores resultados de 100 tiros de seus atiradores, podendo ser utilizado até 02 (dois) resultados de um mesmo atirador.

 

Artigo 48 - DESEMPATES - em caso de empate em cada categoria/classe ou equipe serão adotados os seguintes critérios para desempate:

 

Individual por etapa:

 

1) Maior resultado obtido na 8a série de 25 tiros, 7a série de 25 tiros e assim por diante;

 

2) Persistindo o empate perderá o atirador que errar primeiro no método “countback” nas 8 series de 25 tiros.

 

3) Havendo empate com 100/100 ou 200/200 na mesma classe estaria inviabilizado o métodocountback, tanto para os escores totais das séries, quanto para os escores detalhados de cada série obtidos na súmula. Assim, serão proclamados campeões naquela classe todos os atiradores empatados, seguindo como segundo e terceiro colocados os atiradores que vierem classificados após esses atiradores empatados.

 

B) Equipe por etapa:

 

1) Maior resultado individual, segundo maior resultado individual, terceiro maior resultado individual e assim sucessivamente ate o limite de resultados para essa classificação.

 

2) Persistindo o empate perderá a equipe em que o maior resultado individual errar o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

C) Individual Final:

 

1) Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente ate o limite de resultados para essa classificação;

 

2) Persistindo o empate perderá o atirador que errar na final, na ultima série o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

3) Persistindo o empate, será usado o mesmo critério do item 2 para a penúltima série, antepenúltima série e assim por diante;

 

D) Equipe Final:

 

1) Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente ate o limite de resultados para essa classificação;

 

2) Persistindo o empate perderá a equipe em que o maior resultado individual errar o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

Artigo 49 - A premiação da etapa é de responsabilidade do clube organizador, devendo ser distribuída para todas as Classes (AAA,AA, A, B, C, Veteranos e Estreantes) da seguinte forma:

 

a) Individual:

1º lugar Troféu.

2º lugar Medalha

3º lugar Medalhas.

 

b) Equipes:

1º lugar Troféu

2º lugar Troféu

3º lugar Troféu.

 

Artigo 50 - A premiação para a classificação final do campeonato ficará sob a responsabilidade do diretor de tiro ao prato designado pela FETC/SC, devendo este utilizar para tanto o valor resultante da soma da taxa no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) que será repassada pelos clubes que sediarem a etapa, bem como providenciar a confecção e entrega dos prêmios, que serão os seguintes:

 

Equipe:

1º lugar Troféu;

2º lugar Troféu;

3º lugar Troféu.

 

Individual:

Classes (AAA,AA, A, B e C):

1º lugar medalha de ouro 18k + 01 carabina CBC;

2º lugar medalha de ouro 18k;

3º lugar medalha de ouro 18k;

4º lugar troféu;

5º lugar troféu.

 

Veterano:

1º lugar medalha de ouro 18k;

2º lugar medalha de ouro 18k;

3º lugar troféu + 01 carabina CBC.

 

Estreantes:

1º lugar medalha de ouro 18k + 01 carabina CBC;

2º lugar medalha de outo 18k + 01 carabina CBC;

3º lugar troféu + 01 carabina CBC;

4º lugar troféu + 01 carabina CBC.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Modalidade TRAP 100

 

 

Artigo 51 - A modalidade Trap 100 será disputada contabilizando um total de 100 tiros, divididos em quatro séries de 25 tiros. O início desta modalidade na etapa se dará junto com o Trap Single. Os competidores poderão se inscrever em súmulas que tenham atiradores do Trap Single também.

 

Parágrafo Único - Para ter o resultado validado na etapa para o Trap 100, o atirador deverá fazer sua inscrição e tiro antes de se inscrever e atirar na modalidade Trap Single, isto é a primeira série de 100 tiros tem que valer para Trap 100 e as outras duas séries de 100 tiros valerão para o Trap Single caso o atirador participe também.

 

Artigo 52 - No campeonato de 2016 será adotada a mesma classe do atirador na modalidade Trap Single do Campeonato Catarinense de 2016.

 

Parágrafo Primeiro - O Atirador estreante no Campeonato Catarinense e que em 2015 não participou de competições oficiais, o seu enquadramento na classe se dará por sua primeira participação no Campeonato da modalidade Trap 100. Sendo reclassificada após a 4a etapa do Campeonato Catarinense.

 

Parágrafo Segundo - O atirador que participou de Campeonatos oficiais em 2015 pela LNTP ou CBTE terá sua classe definida pelos seus 4 melhores resultados obtidos nessas entidades.

 

Parágrafo Terceiro - Para o Campeonato Catarinense de 2017, as classes serão definidas pela média da soma dos seus 4 melhores resultados no campeonato de 2016.

 

Parágrafo Quarto - O atirador que participou em menos de 4 etapas em 2016, terá sua classe definida pela média das etapas em que participou.

 

Parágrafo Quinto - As classes do Trap 100 para o Campeonato Catarinense do ano de 2016 ficarão assim distribuídas:

 

CLASSES:

AAA  - de 97,50 a 100

AA   - de 95,50 a 97,49

A    - de 93,00 a 95,49

B    - de 89,00 a 92,99

C    - de 00,00 a 88,99

Veterano  - Atiradores com mais de 65 anos.

 

Artigo 53 - O valor da inscrição por atirador será de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) por etapa, sendo rateado conforme abaixo:

 

Custo dos Pratos         R$  60,00;

Taxa clube organizador   R$  50,00;

Caixinha das maquinas    R$  10,00;

Premiação Anual          R$  30,00.

 

Artigo 54 - Para o atirador fazer jus à premiação individual ao final do Campeonato Catarinense de 2016, deverá este participar de no mínimo 07 (sete) etapas ou o equivalente a 700 (setecentos) tiros, porém, para pontuar para a equipe que representar, o atirador deverá participar de no mínimo 05 (cinco) etapas ou o equivalente a 500 (quinhentos) tiros.

Artigo 55 - Para a classificação final do Campeonato por equipes, serão considerados os 08 (oito) melhores resultados, descartando-se o pior dos resultados obtidos nas 09 (nove) etapas.

 

Artigo 56 - Para o resultado individual da etapa, em todas as classes, será considerado o somatório das 4 séries de 25 tiros de cada atirador. Caso o atirador não o as complete, este terá seu resultado anulado, isto é será apontado zero nos resumos da etapa.

 

Artigo 57 - Para o resultado da etapa por equipe no Campeonato de 2016,  será somado os 04 (Quatro) melhores resultados de 100 tiros de seus atiradores.

 

Artigo 58 - DESEMPATES, em caso de empate, serão adotados os seguintes critérios para desempate:

 

A) Individual por etapa:

1 - Maior resultado obtido na 4a série de 25 tiros, 3a série de 25 tirose assim sucessivamente;

 

2 - Persistindo o empate perderá o atirador que errar o primeiro prato e sucessivamente no métodocountback, nas 4 séries de 25 tiros.

 

B) Equipe por etapa:

1 - Maior resultado individual, segundo maior resultado individual, terceiro maior resultado individual e quarto maior resultado individual.

 

2 - Persistindo o empate perderá a equipe em que o maior resultado individual errar o primeiro prato no critério do “countback” nas 4 séries de 25 tiros.

 

C) Individual Final:

1 - Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente;

 

2 - Persistindo o empate será utilizado o critério countback nas 4 séries de 25 tiros da etapa final.

 

D) Equipe Final:

1 - Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente;

 

2 - Persistindo o empate perderá a equipe em que o maior resultado individual errar o primeiro prato no método countback nas 4 séries de 25 tiros da etapa final.

 

Artigo 59 - A premiação da etapa é de responsabilidade do clube organizador devendo ser distribuídos:

 

Premiação Individual para todas as Classes com mais de 4 atiradores:

1º lugar: troféu

2º lugar: medalha

3º lugar: medalha.

 

 

 

Premiação Equipes

1º lugar: troféu

2º lugar: troféu

3º lugar: troféu.

 

Artigo 60 - A premiação final (Individual e equipes) do Campeonato ficará sob a responsabilidade do diretor de tiro ao prato designado pela FETC/SC, devendo este utilizar para tanto o valor resultante da arrecadação oriunda das inscrições da modalidade Trap 100.

Cada clube que sediar uma etapa repassará o valor de R$ 30,00 (trinta reais) por atirador ao longo do Campeonato.

Tal arrecadação será convertida em troféus, medalhas e munições “cartuchos 12ga 24gr” que serão distribuídos, conforme o total da arrecadação de cada classe:

 

Equipe

1o Lugar troféu;

2o Lugar troféu;

3o Lugar troféu.

 

Individual Classe AAA:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

Individual Classe AA:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

Individual Classe A:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

Individual Classe B:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

Individual Classe C:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

Individual Classe VETERENOS:

1o Lugar troféu + 45% do arrecadado da classe;

2o Lugar troféu + 30% do arrecadado da classe;

3o Lugar troféu + 25% do arrecadado da classe.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Modalidade TRAP DOUBLE

 

 

Artigo 61 - A modalidade Trap Double será disputada contabilizando um total de 100 tiros, divididos em duas séries de 50 tiros. O início desta modalidade acontecerá às16h ou imediatamente após o encerramento da modalidade Trap Single e Trap 100.

 

Artigo 62 - O atirador que participou em 2015 do Campeonato Catarinense, LNTP, CBTE ou no seu estado de origem, quando da sua inscrição na primeira prova do Campeonato Catarinense terá que obrigatoriamente inscrever-se na maior categoria apurada no último ano.

 

As classes para o Campeonato catarinense do ano de 2016 ficarão assim distribuídas: Classes estas obtidas no ano de 2015, considerando os 05 (cinco) melhores resultados de 100 tiros de cada atirador.

 

Classe A de 85,00 a 100

Classe B de 79,01 a 84,99

Classe C de 00,00 a 79,00

 

Artigo 63 - O valor da inscrição poratirador será de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) por etapa, sendo rateado conforme abaixo:

 

Custo dos Pratos             R$  60,00;

Taxa clube organizador       R$  50,00;

Caixinha das maquinas        R$  10,00;

Premiação Anual              R$  30,00.

 

Artigo 64 - Para o atirador fazer jus à premiação individual ao final do Campeonato Catarinense de 2016, deverá este participar de no mínimo 07 (sete) etapas ou o equivalente a 700 (setecentos) tiros, porém, para pontuar para a equipe que representar, o atirador deverá participar de no mínimo 05 (cinco) etapas ou o equivalente a 500 (quinhentos) tiros.

 

Artigo 65 - Para a classificação final do Campeonato por equipes, serão considerados os 08 (oito) melhores resultados, descartando-se o pior dos resultados obtidos nas 09 (nove) etapas.

 

Artigo 66 - Para a classificação final individual do Campeonato será computados os 07 (sete) melhores resultados nas Classes A, B e C.

 

Artigo 67 - Para o resultado individual da etapa, em todas as classes, será considerado o somatório das duas séries de 50 tiros de cada atirador.

 

Artigo 68 - Para o resultado da etapa por equipe serão somados os 03 (três) melhores resultados de 100 tiros de seus atiradores.

 

Artigo 69 - DESEMPATES, em caso de empate, serão adotados os seguintes critérios para desempate:

 

A) Individual por etapa:

1 - Maior resultado obtido na última série, penúltima série e assim por diante;

 

2 - Persistindo o empate perderá o atirador que errar o primeiro prato e sucessivamente nacontagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

3 - Persistindo o empate, será usado o mesmo critério do item 2 para a penúltima série, Ante penúltima série e assim por diante;

 

B) Equipe por etapa:

1 -Maior resultado individual, segundo maior resultado individual, terceiro maior resultado individual.

 

2 - Persistindo o empate perderá a equipeem que o maior resultado individual errar o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

C) Individual Final:

1 - Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente;

 

2 - Persistindo o empate perderá o atirador que errar na final, na ultima série o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

3 - Persistindo o empate, será usado o mesmo critério do item 2 para a penúltima série, antepenúltima série e assim por diante.

 

D) Equipe Final:

1 - Maior resultado obtido ao longo do ano, segundo maior resultado obtido e assim sucessivamente;

 

2 - Persistindo o empate perderá a equipe em que o maior resultado individual errar o primeiro prato e sucessivamente na contagem para trás “countback”, do último ao primeiro prato.

 

Artigo 70 - A premiação da etapa é de responsabilidade do clube organizador devendo ser distribuídos:

 

Premiação Individual Classes A, B e C:

1º lugar: Troféu

2º lugar: Medalha

3º lugar: Medalha.

 

Premiação Equipes

1º lugar: Troféu

2º lugar: Troféu

3º lugar: Troféu.

 

Artigo 71 - A premiação final (Individual e equipes) do campeonato ficará sob a responsabilidade do diretor de tiro ao prato designado pela FETC/SC, devendo este utilizar para tanto o valor resultante da arrecadação oriunda das inscrições da modalidade Trap Double.

Cada clube que sediar uma etapa deverá repassar o valor de R$ 30,00 (trinta reais) por atirador ao longo do Campeonato.

Tal arrecadação será convertida em troféus, medalhas e munição/cartuchos que serão assim distribuídos:

 

Classe A (45%) do arrecadado

Classe B (30%) do arrecadado

Classe C (25%) do arrecadado.

 

Equipe

1. Lugar Troféu

2. Lugar Troféu

3. Lugar Troféu.

 

Individual Classe A:

1º Lugar Troféu + 45% do arrecadado;

2º LugarTroféu + 30% do arrecadado;

3º Lugar Troféu + 25% do arrecadado.

 

Individual Classe B:

1º Lugar Troféu + 45% do arrecadado;

2º Lugar Troféu + 30% do arrecadado;

3º Lugar Troféu + 25% do arrecadado.

 

Individual Classe C:

1º Lugar Troféu + 45% do arrecadado;

2º Lugar Troféu + 30% do arrecadado;

3º Lugar Troféu + 25% do arrecadado.